Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Isto É Peanurs

Eu não queria ser pai natal

 

 

 

É comum ouvir as pessoas dizerem, na brincadeira, que gostavam de ter a profissão do pai natal para só trabalharem uma vez no ano. Eu não gostava. A fazer fé na mítica música “Santa Claus Is Coming To Town” (que eu analisei ao pormenor), é fácil perceber o porquê de eu não querer esta profissão.

 

Ser pai natal parece-me uma daquelas coisas que dão bem mais trabalho do que os outros imaginam. Senão vejamos: numa só noite (vá, com a ajuda do fuso horário que vai variando é mais do que uma noite) ele tem de dar a volta quase ao mundo inteiro (excluem-se os países onde o pai natal não faz parte da tradição e aqueles que recebem as prendas noutro dia). Portanto ele tem de fazer num só dia o que o Júlio Verne fez em 80. Como se isto não fosse suficientemente complicado, tem de parar em todas as casas, descer pela chaminé, procurar a árvore de natal e pôr as prendas lá em baixo.

 

Agora imaginem o que seria ter de separar cuidadosamente as prendas para não se enganarem em nenhuma (isto ignorando o facto de que é preciso um trenó bastante grande para todas as prendas). É preciso uma capacidade de organização bastante acima da de qualquer ser humano comum. A isto junta-se a solidão. Viver isolado do mundo, num lugar onde está sempre frio e neve não pode ser fácil. Para piorar, no único dia do ano em que pode sair de casa, não pode deixar que ninguém o veja.

 

Diz a letra da canção de que falei mais acima que ele faz uma lista e revê essa mesma lista duas vezes para ver quem se portou mal ou bem. Não pode haver aqui enganos, daí que seja benéfico revê-la mas tendo em conta a quantidade de crianças que lhe escrevem, já pararam para pensar na dimensão desta lista? Ouvimos mais um bocadinho da música e percebemos que o pai natal está sempre a vigiar-nos. Acham a casa dos segredos má? Imaginem-se rodeados de milhões de televisões a ver o que as crianças estão a fazer 24 horas por dia. Já consegui dissolver-vos dessa ideia de quererem ser o pai natal quando forem grandes? Óptimo. Estou cá mesmo para isso. Feliz Natal!